Sócios da Rian Design são nomeados conselheiros no Conselho Municipal de Política Cultural de Três Rios

Os sócios Rian Dutra e Renato Corrêa estão presentes nas reuniões do Conselho Municipal de Política Cultural de Três Rios desde final de 2016, apresentando propostas tecnológicas e inovadoras para o cenário cultural do município, o qual tem a sede da Rian Design instalada.

logo-conselho-cultura-tres-rios

Pelo decreto nº 5.732 de 16 de março de 2017 o Prefeito Josimar Salles nomeou novos conselheiros para terminar o biênio 2015/2017. (…) Empresas e Produtores Culturais, Rian Dutra da Cunha – titular, Renato Gomes Corrêa – suplente (…).

Os conselheiros do CMPC são voluntários, portanto não recebem qualquer incentivo financeiro, tendo como principal objetivo fortalecer e fiscalizar a cultura no município.

Em 2016, a Rian Design criou, desenvolveu e doou o projeto “História em Mãos” para a cidade de Três Rios, o qual foi instalado em vários pontos da cidade, oferecendo aos moradores e visitantes uma oportunidade de ver fotos históricas e textos sobre importantes pontos de Três Rios. O projeto teve grande repercussão na mídia local. Para assistir à matéria da TV Globo (TV Rio Sul), acesse: https://goo.gl/rbyYVd

A empresa de Rian Dutra e Renato Corrêa criou a identidade visual do Conselho, assim também como já está desenvolvendo o site oficial, onde o CMPC poderá divulgar suas reuniões, notícias referentes ao cenário cultural do município, divulgar atas, entre outras utilidades públicas.

Conheça a Rian Design:
www.riandesign.com.br

Sérgio Mallandro lança game oficial para Android, iPhone e iPad!

Agência de design Rian Design (Três Rios / RJ) desenvolveu o game oficial do Sérgio Mallandro, um dos maiores humoristas do Brasil.

São cinco mini games divertidos o qual o Sérgio Mallandro é o protagonista.
O game é gratuito e está disponível para iPhones, iPads e smartphones e tablets Android.

Baixe grátis:
www.sergiomallandro.art.br/game

A agência Rian Design também desenvolveu o site oficial do humorista:
www.sergiomallandro.art.br

sergio mallandro game oficial android iphone ipad ios

A Rian Design fará uma apresentação no III Festival Três Rios Criativa

Os sócios Rian Dutra e Renato Corrêa farão uma apresentação na próxima sexta-feira (14/11), no III Festival Três Rios Criativa, falando sobre o processo de criação do mobile game “Cidade Contra Zumbis“, desenvolvido pela Rian Design.

foto

Em sua terceira edição, o Festival Três Rios Criativa vai discutir o mercado de games, o papel das incubadoras criativas, oficinas de crowdfunding, canvas e arduino, além do Designathon Global para crianças. Confira a programação e se inscreva:

Para mais informações, acesse:
www.facebook.com/TresRiosCriativa

TV 8K é testada; imagem é 16 vezes melhor do que em telas em HD

A tecnologia de 8K vem já vem sendo desenvolvida no Japão. Um consórcio das principais emissoras, fabricantes e firmas de comunicação do país começou a testar transmissões em Ultra HD no país. A empresa de comunicação NHK conseguiu criar uma tela que supera esta resolução e exibe imagens com até 16 vezes mais definição do que as Full HD.

Image

8K pode virar realidade em breve (Foto: Reprodução/BGR)

A ideia é deter uma excelência de 4K nos próximos dois anos, tornando-o o padrão mais utilizado no país, para que, a partir de 2016, comece a ser realizada a implantação do 8K. O planejamento inicial é de que esta altíssima qualidade seja utilizada nas transmissões dos Jogos Olímpicos de 2020, que serão realizados na cidade de Tóquio.

A venda de televisões 4K no país, no entanto, ainda não é das maiores. Os preços altos afastam muitos compradores, apesar de as grandes empresas, como Sony e Sharp, estarem focadas na popularização do formato. Segundo Katsuaki Watanabe, ex-presidente da Toyota e um dos líderes deste consórcio por trás dos testes com o Ultra HD, o momento é este.

“Vários países estão acelerando os testes e o lançamento de novos serviços usando estas tecnologias. A indústria japonesa tem que fazer o que puder para sobreviver neste ambiente severo”, avaliou.

Resta saber se o procedimento será o bastante. Mais do que o início de mais transmissões, o que os consumidores esperam mesmo é a diminuição dos preços de TVs com o 4K. Seja no Japão ou em qualquer outro lugar do mundo.

Extraído de techtudo.com.br

Menor desktop do mundo com Windows tem suporte para duas telas

Voltado para mercados emergentes, o Liva PC,  da ECS, foi apresentado na Computex como o menor computador com Windows do planeta. O dispositivo pesa menos de 200g, custa menos de US$ 200 (cerca de R$ 452), tem uma configuração razoável, mas ao contrário de outros mini PCs do mercado que já vem pronto para ser usado, ele vem em um kit para ser montado em casa.

Imagem

O PC vem equipado com um processador Intel Bay Trail-M, 2GB de RAM e 32GB de armazenamento por cartão eMMC. O dispositivo conta ainda com entrada de rede Gigabit, USB 3.0 e 2.0, Bluetooth 4.0 e Wi-Fi 802.11n, além de duas saídas de vídeo VGA e HDMI.

Ao todo o mini PC pesa 190g e mede apenas 118 x 70 x 56 mm. Inicialmente, o Liva só tem suporte para Windows 8.1, mas posteriormente poderá rodar Ubuntu e Windows 7.

Com essa configuração, é evidente que não há como rodar jogos e softwares pesados, mas o Liva PC pode ser uma alternativa de baixo custo para quem quer ter um centro multimídia com Windows conectado à TV da sala.

Ainda não há previsão de quando o dispositivo será comercializado ou se deverá vir para o Brasil.

Extraído de techtudo.com.br

Google Chromecast chega ao Brasil com Galinha Pintadinha por R$ 199

O Chromecast, aposta do Google para o mercado de streaming, finalmente chega ao Brasil. O aparelho, lançado em julho de 2013 nos Estados Unidos, desembarca nesta quarta-feira (4), no mercado brasileiro. Custando R$ 199, o dispositivo será vendido, inicialmente, apenas nas lojas online de Extra, Ponto Frio e Casas Bahia. E, como “garota propaganda”, o aparelho tem ninguém menos que a Galinha Pintadinha.

chromecast brasil

Chromecast chega ao Brasil tendo Galinha Pintadinha como garota propaganda (Foto: TechTudo/Fabricio Vitorino)

Segundo o Google Brasil, a chegada do gadget ao mercado nacional obedece ao plano da gigante de, cada vez mais, tratar o país como mercado “prime”. O aparelho fez enorme sucesso nos EUA, e durante muito tempo conseguir comprá-lo era tarefa complicada.

A grande vantagem do Chromecast é colocar na sua mão um controle remoto que você sabe utilizar e já está familiarizado com o ambiente e os comandos”, diz Newton Neto, gerente de parcerias do Google. Ele explica ainda que o celular atua meramente como um controle remoto. Quem processa e quem usa a conexão é o Chromecast, que roda uma versão do Chrome OS. “Para usar o aparelho, não há curva de aprendizado. Se você sabe usar o celular e o YouTube, sabe usar o Chromecast”, reforça Neto.

O Chromeast atua, basicamente, como  um set top box, ou aquelas caixinhas que recebem e tocam streaming. Sua configuração é rápida, e em mais ou menos cinco minutos ele está pronto e rodando, na sua TV, serviços como o Google Play Movies, YouTube, Netflix, Crackle, Rdio e muitos outros. Ainda segundo Newton Neto, a diferença entre o Chromecast e as plataformas das smart TVs é a simplicidade de uso.

Através de suporte e aplicativos, que podem ser instalados no navegador Chrome, o aparelho também pode exibir conteúdo de seu desktop, seja ele Windows ou Mac. Aliás, apesar de ser fabricado pelo Google, o aparelho também suporta normalmente iOS e, via aplicativo não oficial, o Windows Phone.

A configuração é feita via app. Quem não tem um device iOS ou Android, pode fazer a instalação via desktop. O dispositivo tem o tamanho de um pen drive e precisa apenas de uma porta HDMI comum para funcionar, além uma USB ou tomada para alimentação.

Na caixa, há ainda um extensor de HDMI para TVs que foram instaladas muito coladas à parede, e que tem também a capacidade de ampliar o sinal WiFi. Com o Chromecast, múltiplos devices emparelhados podem criar uma playlist colaborativa, com cada um sentado no sofa enfileirando seus videos favoritos, por exemplo.

chromecast brasil 2

Chromecast chega a lojas físicas dentro de algumas semanas (Foto: TechTudo/Fabricio Vitorino)

E, para chegar ao mercado nacional, o Chromecast foi “tropicalizado”, ganhando cara e conteúdo da brasileiríssima Galinha Pintadinha, que se tornou a garota propaganda do produto no Brasil. Para o lançamento, o Google planeja ainda uma ação em seus canais para promover conteúdo e aplicativos relacionados ao serviço.

Ainda segundo o Google, o produto deverá ser vendido em outras lojas – e não só as online – já nas próximas semanas. O aparelho, que é importado, chega custando pouco mais que o dobro do vendido no mercado americano, mas ainda é um dos dispositivos de streaming, com conteúdo associado, mais barato do Brasil.

Extraído de techtudo.com.br

Spotify, Rdio, Deezer e outros; saiba qual o melhor streaming de música

Image

Gosta de ouvir música online? Então, saiba que existem diversas opções de serviços de streaming com planos pagos e gratuitos e que já funcionam plenamente no Brasil. O popular Spotify finalmente estreou no país, aquecendo a disputa pela preferência entre os serviços de música na Internet, como Rdio e Deezer. A novidade também faz o consumidor se perguntar: Qual é a melhor opção? Em busca dessa resposta, o TechTudo conversou com os principais fornecedores de músicas via web; confira o especial.

Rdio – grátis online seis meses, sem anúncios

Primeiro serviço de streaming a desembarcar em solo brasileiro, o Rdio oferece um catálogo de 25 milhões de músicas, incluindo as mais diversas opções locais – portanto, acervo não é problema. O mesmo vale para sua plataforma, disponível nos sistemas móveis Android, BlackBerry, iOS, Windows Phone. Para ouvir músicas no desktop tem versão para Mac, Windows, além da opção web.

A versão gratuita só dura seis meses, sem anúncios. Depois, o serviço cobra uma assinatura mensal de R$ 14,90. “A gente é um serviço de streaming com cara de rede social. No Rdio, você pode descobrir músicas através dos seus amigos em uma interface limpa”, explica Bruno Vieira, diretor geral do Rdio no Brasil. “A facilidade de uso, aliás, é sempre o ponto mais elogiado pelos nossos usuários”, completa.

Deezer – grátis online, com anúncios

O Deezer Brasil só perde para a França em número de usuários. São dois milhões de brasileiros ativos na versão gratuita, com anúncios. Para aproveitar o catálogo de 30 milhões de músicas offline no celular, a assinatura mensal é de R$ 14,90, porém uma oferta temporária permite contratar o serviço por R$ 7,49. Compatível com Android, BlackBerry, Windows Phone e iOS, e no desktop para Mac e Web.

“Deezer tem uma experiência personalizada que permite descobrir novas músicas o tempo todo. Nosso algoritmo e 16 editores de música, só na América Latina, sugerem músicas e artistas novos de acordo com os gostos do usuário”, diz o diretor local do Deezer, o francês Mathieu Le Roux. O executivo ainda destaca o recurso Flow, uma espécie de rádio criada automaticamente baseada no histórico de músicas tocadas. “Basta clicar em um botão para começar a ouvir”, explica.

Spotify – grátis online, com anúncios

O mais novo na corrida pela popularização do streaming de música no Brasil, Spotify é o líder mundial do setor, com 40 milhões de usuários no planeta e um catálogo de 30 milhões de músicas. Em termos de plataforma, Spotify sai na frente devido à grande quantidade de plugins que podem ser instalados no player do desktop, em Mac e Windows, para visualizar letras de músicas ou receber recomendações do Last.fm. Há também versão gratuita na web, com anúncios, além das para Android, BlackBerry e iOS.

“Antes de chegar ao Brasil, queríamos ter certeza de que ofereceríamos a experiência completa. Spotify já chega com álbuns de centenas de artistas nacionais, playlists com músicas brasileira e toda a experiência com plugins e integração social vista nos outros países que atuamos”, defende Gustavo Diament, diretor nacional do Spotify. A assinatura para ouvir sem anúncios e também offline custa R$ 14,90 mensais. É possível ter acesso às músicas via Wi-Fi ou 3G no celular e também no PC.

TuneIn – é rádio, e grátis

Diferente dos anteriores, TuneIn não oferece planos pagos para ouvir música offline. Sua maneira de oferecer música é por meio de milhares de rádios gratuitas, sejam as oficiais de mais de 230 países ou outras várias criadas pelos 50 milhões de usuários no mundo. O serviço detém o maior acervo de rádio online de toda a Internet. Está disponível para Android, iOS e Windows Phone, a versão desktop é web.

“O TuneIn permite que as pessoas descubram, sigam e ouçam o que é mais importante para elas – desde esportes, notícias e música até talk shows. Rádios ao vivo do mundo inteiro estão disponíveis onde quer que estejam, com 100 milhões de estações online e mais de quatro milhões de podcasts de todos os continentes”, explica uma nota da companhia americana enviada ao TechTudo.

Grooveshark – grátis com anúncios, mais barato offline

Correndo por fora, Grooveshark tem versão gratuita, com anúncios, e permite ouvir offline a preço mais baixo que a concorrência: US$ 5, ou cerca de R$ 11. No entanto, o dinheiro não chega no bolso do artista, já que todo o acervo é gerado por uploads dos usuários. Tal característica dificulta a padronização das faixas, o que pode gerar inconsistência de qualidade de reprodução e confusão na busca.

No entanto, o aspecto colaborativo da plataforma permite que sua biblioteca seja potencialmente ilimitada, permitindo encontrar músicas bastante desconhecidas. Outra vantagem é o caráter experimental de seu conteúdo, que geralmente contém os remixes mais criativos. O acesso é tão amplo quanto nos outros serviços, disponível para Android, Windows e Mac, além de versão web.

FORA DO BRASIL

Ainda não chegaram por aqui empresas importantes no cenário mundial de streaming de música, como Pandora, Google Play (Music) All Access e iTunes Radio, da Apple. O primeiro é um dos mais populares dos Estados Unidos, mas não permite ouvir offline e o catálogo ainda não chega perto de Deezer e Spotify.

Já a Apple e o Google, os últimos a entrarem nesse mercado, oferecem integração total com suas respectivas plataformas móveis e uma biblioteca gigantesca.

Se chegarem por aqui, certamente o brasileiro terá ainda mais incentivo para abandonar de vez a pirataria e o hábito de baixar mp3. Essa, na verdade, é a grande preocupação das empresas atuantes no setor: todas defendem que o maior concorrente é a música baixada ilegalmente. Esse foco de “música” legalizada dá ao mercado brasileiro de streaming um potencial de crescimento enorme nos próximos anos. E você, já decidiu qual serviço vai escolher? Veja tabela abaixo:

Serviço
Preço
 Catálogo  Offline  Plataformas
 Rdio R$ 14,90 (e gratuita por 6 meses) 25 milhões de faixas Sim Android, BlackBerry, iOS, Windows Phone, Mac, Windows e Web
Deezer  R$ 14,90 (e gratuita) 30 milhões de faixas Sim Android, BlackBerry,  iOS, Windows Phone, Mac e Web
Spotify  R$ 14,90 (e gratuita) 30 milhões de faixas Sim  Android, BlackBerry, iOS, Mac,  Windows e Web
 TuneIn Grátis 100 milhões de estações Não  Android, iOS e Windows Phone
Grooveshark  US$ 5 /R$ 11 (e gratuita) Não especificado  Sim Android, Mac, Windows e Web 

Extraído de techtudo.com.br

Descubra como surgiu a impressora 3D

A impressão 3D está revolucionando diversos setores da economia, sendo utilizada para criar instrumentos musicais, próteses humanas, chocolates, brinquedos e até casas. Entretanto, poucos sabem que a tecnologia não é recente – sua primeira máquina funcional completa 30 anos em 2014. Conheça abaixo um pouco da história da impressora 3D e sua evolução.

Image

As impressoras 3D vem se popularizando continuamente (Foto: Renato Bazan/TechTudo)

Como surgiu

A primeira impressora 3D funcionando a pleno vapor foi invetada por Chuck Hull, um norte-americano do estado da Califórnia, em 1984, utilizando a estereolitografia, tecnologia precursora da impressão 3D. Hull já havia desenvolvido um ano antes a tecnologia do que viria a ser a máquina, quando ela tinha duas funções principais, sendo uma delas a criação de lâmpadas para solidificação de resinas, primeiro objeto criado pela ferramenta.

Image

Chuck Hull (à esquerda) junto a um dos protótipos do que viria a ser a impressora 3D ( Foto:UT-Austin/Reprodução)

A principal, entretanto, foi a confecção de partes de plástico de forma rápida, já que o processo tradicional levava de seis a oito semanas, e as peças ainda precisavam ser refeitas diversas vezes devido a problemas na manufatura.

Sendo assim, com a produção desses componentes em um ambiente controlado e de maneira muito mais veloz, a impressora 3D já demonstrava flexibilidade e rapidez, duas de suas principais características até hoje.

Image

Chuck Hull, inventor da primeira impressora 3D (Foto:industryweek/Reprodução)

Poucos anos depois, Chuck Hull fundou a 3D Systems Corp., patenteando sua criação e diversas formas de impressão, assim como inciando a comercialização da tecnologia. Para se ter uma ideia do sucesso, a empresa permanece como uma das líderes do segmento até hoje.

O custo de fabricação e o avanço nos métodos de impressão vem barateando cada vez mais essas impressoras. Na década de 90 era preciso desembolsar em torno de um milhão de dólares por uma delas. Vinte anos depois, existem modelos que podem ser adquiridos por até mil dólares, apenas, se comparado ao incial. Em um futuro não muito distante, a tecnologia estará disponível para grande parte da população, como a impressora normal, podendo ser utilizada no dia a dia.

Extraído de techtudo.com.br